Por que há quem jogue fora um possível bilhete premiado?

Admito que tenho dificuldade para entender quem aborta relacionamentos. Por que algumas pessoas desistem tão depressa de um compromisso a dois? Por que não se dão a chance de viver uma relação com potencial para ficar séria? Por que renunciam a sexo com afeto, carícias sinceras, momentos genuinamente românticos? Por que, mesmo quando mal começam a ter e gostar dessa experiência, desistem dela, fogem dela como o diabo da cruz? O que as trava de repente? O que as faz abrir mão de uma raridade chamada “amor correspondido”? Está bem. Mesmo que seja cedo para considerar amor uma recente vivência a dois, por que descartam uma “atração correspondida” quando é tão raro encontrar pessoas que, ao que tudo indica, valem a pena?

Image result for love paintings

Pintura da série “Angel Paintings”, de Ivan Guaderrama.

Alguns respondem com expressões como “timing errado”. Outros acreditam que não estão prontos para uma relação séria. Há quem admita ter medo de se envolver demais e ficar dependente de outra pessoa. Frequente também é o caso de a pessoa não querer compromisso porque sente necessidade de manter a própria liberdade – para alguns, esse desejo de ser livre inclui a vontade de “pegar geral”. Um amigo chegou a me dizer que conheceu “a mina certa na hora errada”. Outro não se aceita como bissexual, então, mesmo gostando de um amigo, prefere fazer de conta que entre eles só existe mesmo uma espécie de bromance. Entreolham-se visivelmente apaixonados, mas não ousam ir além disso. Mentem para si mesmos. Tocam a vida como se fossem ambos heterossexuais. Na maioria das vezes, desconfio de que a raiz dessa renúncia ao relacionamento sério está mesmo na insegurança.

Se A gosta de B, mas B não gosta A, pelo menos em tese, o problema está resolvido. Quando um não quer, dois não brigam. Essa situação acho fácil de entender. O que me faz doer a cabeça são os casos em que há correspondência de sentimentos. Os dois se querem. Os dois gostariam de ficar juntos. Só que um ou nenhum dos dois banca uma relação. Mal sabem eles quantas pessoas no mundo gostariam de estar nessa privilegiada situação de reciprocidade! Jamais jogariam no lixo um bilhete premiado.

Image result for separation painting

Tela “Separação”, de Edvard Much.

Além da insegurança, que normalmente se manifesta por meio do temor de assumir responsabilidades, há uma certa racionalidade que faz um dos dois ou o casal pesar os prós e contras, contabilizar as conveniências e inconveniências, calcular a relação custo-benefício de estar com alguém naquele momento, como se estivesse lidando com negócios. Que se danem a atração, a paixão, o amor! O mais importante é salvar a própria pele, pensar no futuro (embora ele seja imprevisível) ou dar satisfação a um grupo social que a pessoa imagina reunir apenas semelhantes, quando, na verdade, cada um ali tem seus esqueletos no armário, sua sujeira debaixo do tapete, seus segredos guardados a sete chaves. Estão todos representando. Essa representação é tão convincente que transforma ficção em vida real. Mas muita gente não sabe ou se esquece disso – ou faz de conta que não é assim (o tal estado de negação que os psicanalistas conhecem tão bem).

Entendo certos temores e dúvidas. Se A não conhece B direito, por que A vai se entregar a B de repente? Por que A vai confiar em B? Quais são suas garantias? Entre pessoas que se conhecem pouco, pode haver sempre decepção. Pode haver interpretações equivocadas de palavras e gestos. É preciso admitir a existência de ruídos na comunicação, inclusive entre quem se conhece há algum tempo. No entanto, como amadurecer sem experiência, mesmo que ponderada, cuidadosa? Como aprender se não errar? No caso da atração correspondida, faz menos sentido ainda resistir à oportunidade. O cavalo passa arreado, e a pessoa não monta nele porque fica ali pensando se não vem outro melhor depois ou se está na hora certa ou se pode cair e se machucar. Aqui e agora, não deveria pesar mais o fato de que A está diante de B por quem sente profunda atração e que também sente profunda atração por A? O resto se resolve com o tempo e a inteligência.

Image result for separation painting

Tela “Separação”, de Cham Clowder.

 

No ziguezague da indecisão, a vida passa e, quando a gente percebe, pode ser tarde demais. Talvez seja romantismo meu, mas definitivamente não vejo sentido em viver se não for para se permitir certas emoções. Não defendo a irresponsabilidade nem o excesso de risco. Há, com certeza, muita gente malandra por aí, gente capaz de seduzir, iludir e abandonar (ou permanecer por perto só para poder explorar o outro). Entretanto, quando se está seguro de que o outro gosta mesmo da gente e de que a gente corresponde esse sentimento, por que se privar dessa experiência?

Ah, o que meus pais vão dizer? O que meus amigos, minhas amigas, meus vizinhos, minhas colegas de escola, meus parceiros de academia, meus filhos vão achar? Posso apostar que essa turba toda tem seus casos, alguns inimagináveis. Ah, mas eu não quero mudar de vida agora, não se mexe em time que está ganhando! Quero continuar em minha zona de conforto! Está bem. Quem pensa assim não se lembra de que, se não aproveitar a oportunidade certa para sair dessa zona de conforto, pode se frustrar ou ter de sair dela do mesmo jeito, porém por meios menos prazerosos. Ah, mas como saber se está diante da oportunidade certa? Êpa! Quem disse que é preciso jogar todas as fichas de uma vez? Quem disse que não dá para ir devagar? Só não vejo sentido em retroagir, em abortar a missão, em recuar precipitadamente, seja por insegurança, seja por medo, seja por comodismo, seja por preconceito, seja por qual motivo for.

Image result for love and joy paintings

“Joy” (Alegria), pintura de Dawn Meader.

E as inconveniências? Penso que elas mudam ao sabor do vento. O que é conveniente ou inconveniente hoje pode não ser mais daqui a uma semana, um mês, um ano. Idade, classe social, beleza, inteligência, interesses, estilo, grupos de amigos, tudo isso pesa, claro. Mas será que deve estar sempre acima de um sentimento verdadeiro e profundo? Justifica um aborto afetivo? Deve permitir a morte prematura de uma relação que pode dar certo se houver a genuína vontade de tentar? São muitas perguntas, e todas me parecem válidas.

Resolvi escrever sobre esse assunto porque, recentemente, testemunhei 3 situações desse tipo. Vi com tristeza um jovem casal se apaixonar e preferir se separar baseado em abstrações, conjecturas, suposições (pelo menos até onde sei). Vi outro casal se afastar porque um dos dois concedeu mais peso a seus traumas, medos, preconceitos e à conveniência do que a um sentimento profundo, quase incontrolável – agora vive em negação, como se fosse possível adotar para sempre uma vida parcialmente fictícia (afinal, uma meia verdade não é também uma meia mentira?). A terceira situação: o rapaz optou por um relacionamento baseado em uma mentira porque teme investir em uma relação verdadeira. Não quer sair de sua zona de conforto e entregar-se a alguém que ele, inconscientemente, coloca em um pedestal (e não a seu lado, onde no fundo gostaria que essa pessoa estivesse).

Image result for luck paintings

“Bringing Luck” (Trazendo a Sorte), pintura de Mary Sedici.

Não. Não me conformo com certas separações. Aceito, defendo e até recomendaria algumas, mas sou ardoroso defensor da oportunidade de se viver um amor, mesmo que não dure pelo resto da vida. Ainda acho melhor guardar a lembrança de um amor (ou paixão, como preferir) que tenha acabado do que a tristeza de ter esse capítulo da vida todo rabiscado de aventuras inconsequentes ou relações mornas, dentro de padrões socialmente estabelecidos. Digo isso com segurança acima do habitual porque nunca desisto facilmente de uma relação na qual acredito, jamais renuncio a uma pessoa que me inspire afeição, confiança e, sobretudo, a deliciosa sensação de ser amado. Essa é uma das melhores experiências da vida, se não for a melhor. Desperdiçá-la pode ser um erro sem chance de reparação.

Anúncios
Esse post foi publicado em Amor & sexo, Comportamento e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.