Distopia com reticências.

O filme “Elysium” foi, para mim, um ótimo passatempo. Não pisquei nem uma vez sequer enquanto Max (Matt Damon) tirava leite de pedra para sobreviver e, de quebra, salvar a vida de uma garotinha com câncer na segunda metade do século 22. Gosto de ficções científicas. Distopias, então, mais ainda!

 

Elysium_poster

 

Pena que “Elysium” tenha deixado em mim a sensação de que a história poderia ter ido mais fundo. A tal estação orbital que dá nome ao filme de Neill Blomkamp, por exemplo, despertou minha curiosidade: o que mais guardava aquele condomínio de luxo, onde uma máquina pode curar qualquer tipo de doença? Somente um punhado de ricaços egoístas? Queria mais informação, detalhes. Nada.

Onde se originou a vilania da secretária de governo Delacourt (Jodie Foster)? Não fica claro. Aliás, há quase nada sobre ela no filme. A personagem, que lembra um pouco a atual diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, está praticamente solta na trama. Valoriza-se pouco até mesmo sua perversidade, ao ponto de Delacourt tornar-se repentina e surpreendentemente descartável.

 

Wagner Moura e Matt Damon lutam do mesmo lado.

Wagner Moura e Matt Damon em cena de “Elysium”.

 

Se as utopias podem despertar alguma esperança na humanidade, as distopias permitem refletir sobre o que pode dar (ou está dando, ou já deu) errado. “Elysium” ficou devendo mais essa – e acho que tinha potencial para mais. Não explorou o quanto podia as razões para o fracasso dos humanos representados na trama. Investiu na estória, mas não na História (ainda que fosse uma história ficcional).

Nada impede, porém, que o espectador faça a parte dele. Por divertimento e talvez seguindo as pistas que o próprio filme dá, tracei um paralelo entre a Terra retratada em “Elysium” e o mundo atual.

A Los Angeles da ficção lembra uma imensa favela, dessas que a gente está acostumado a ver no Brasil. A estação orbital Elysium é um típico condomínio de luxo, semelhante àqueles que as imobiliárias não param de anunciar na TV – inclusive no nome, que geralmente remete à idéia de paraíso, como os próprios Campos Elíseos ou o Jardim do Éden. No fundo, o filme só redimensiona (para mais) e transporta ao futuro o que já ocorre neste começo do século 21.

A estação orbital dos privilegiados do século 22.

Elysium: estação orbital dos privilegiados do século 22.

O final do filme (não vou entrar em detalhes, claro) é simultaneamente feliz e triste. E não dá para saber se a distopia vai se converter em utopia depois que… Bem… Prometi não entrar em detalhes. A verdade é que, se fosse um texto escrito, “Elysium” teria muitas reticências. Permite-se várias lacunas, diferentemente de distopias clássicas como “Zardoz” ou a mais recente “Matrix”.

Mas não sou do tipo que perde horas tentando se colocar no lugar do roteirista e do diretor dos filmes. Aceito bem o fato de ir ao cinema e me divertir, sem pretensões intelectuais mais ambiciosas, especialmente quando estou ciente de que o filme é assumidamente comercial. Foi divertido. Valeu. 

Next, please!

Anúncios
Esse post foi publicado em Cinema e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Distopia com reticências.

  1. ag disse:

    tenho alguns comentários que prefiro tecer na mesa do ernesto. mas enquanto diversão descompromissada de domingo foi ótimo!
    ab.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.