Êxito, fracasso, eu e o mundo.

Ultimamente, tenho refletido, mais que o habitual, sobre êxito e fracasso. Em alguns campos, penso que tenho sucesso. Em outros, só derrota. Então, alguém me diz: é assim com todo o mundo. Pode ser, mas e daí? Devo cruzar os braços diante de meus malogros porque a maioria das pessoas também experimenta frustrações? Devo renunciar ao esforço pelo triunfo? Devo desistir de pensar a respeito?

Resultado de imagem para fracasso

Penso que a resposta para essas três perguntas é um retumbante NÃO. Se me sinto mal porque algo não vai bem, devo tentar descobrir a causa disso e fazer o possível para resolver o problema. Essa busca, claro, também representa risco de êxito e de fracasso. Estou, portanto, diante de um círculo vicioso: se não descubro a causa de meu insucesso, esse é mais um insucesso, que só reforçará meu fracasso. Será que fui claro?

Nessa reflexão, deparo com várias questões, tais como:

  • O que é ter êxito?
  • O que significa fracassar?
  • Até que ponto minha percepção de êxito e fracasso é razoável, cabível?
  • De que maneira o ambiente em que vivo afeta meu desempenho e a percepção sobre meu desempenho?
  • O ambiente em que vivo é confiável do ponto de vista da avaliação justa de meu desempenho?

Resultado de imagem para exito

Aprendo logo que a questão do sucesso e do insucesso passa tanto pelo aspecto factual quanto pelo aspecto da percepção. Do ponto de vista factual, o êxito ou o fracasso se revela em uma situação ou diversas situações concretas em que uma pessoa se vê em apuros porque tomou uma decisão errada ou deixou de fazer algo necessário, por exemplo. Do ponto de vista da percepção, dar-se bem ou dar-se mal é algo subjetivo. Obviamente, o que é sucesso para mim pode não ser para você e vice-versa. O mesmo vale dizer sobre o malogro.

Daí que preciso descobrir e compreender o que são, para mim, êxito e fracasso. Depois, penso que vale a pena conhecer a visão de outras pessoas (amigas, amigos, colegas, familiares etc.) sobre esses dois conceitos e compará-la com a minha. Talvez isso me ajude a contextualizar e dimensionar melhor o que entendo por sucesso e insucesso. Finalmente, pode ser interessante testar a percepção que tenho de meu desempenho: será que estou sendo excessivamente severo ou demasiadamente indulgente comigo mesmo? Tenho uma percepção realista de minha vida? Há um mínimo de simetria entre minha autoavaliação e a avaliação de outras pessoas sobre mim?

Nesse processo de autoexame, entra a apreciação também de meu ambiente. Ele é favorável ou desfavorável a meu crescimento e, por conseguinte, meu sucesso? Até que ponto é do ambiente a responsabilidade por eu acertar ou errar? Essa é uma ponderação necessária. Afinal, ninguém erra nem acerta sozinho.

Resultado de imagem para ortega y gasset

José Ortega y Gasset (1883-1955), filósofo espanhol.

Lembro, então, a conhecida máxima do filósofo espanhol José Ortega y Gasset, para quem “o homem é o homem e sua circunstância”. É impossível, para Gasset, considerar o ser humano como sujeito ativo sem considerar também seu entorno, desde seu próprio corpo até seu contexto histórico, o que naturalmente envolve sua formação.

Se erro, pesa para isso a circunstância em que estou. Se acerto, idem. Incluo na circunstância de cada pessoa, por minha própria conta e risco, fatores como saúde física e mental, estado psicológico, apoio moral, situação financeira etc. Evidentemente, as circunstâncias não respondem sozinhas por meu desempenho. Minha postura diante delas faz diferença. Em todo caso, concordo com Gasset. Não se pode jogar tudo nas costas das pessoas. O contexto tem seu papel.

Quando me convenço de que estou malogrando em um empreendimento qualquer e busco a causa ou as causas desse insucesso, preciso me lembrar de que sou a soma de mim mesmo e minha circunstância. O que em meu entorno está me prejudicando? Como estou reagindo a essa influência? Há algo que eu possa fazer? Até que ponto?

Esse é, em síntese, o resultado de minhas reflexões recentes, ainda embrionárias, sobre êxito e fracasso. Comecei a pensar nesse tema porque, no momento, me sinto um tanto inseguro sobre o que devo considerar exitoso ou malogrado em minha vida pessoal e profissional. Meu autoexame não tem ajudado muito até agora. O cenário está um tanto difuso. Só tenho uma certeza: quero sair desse processo reflexivo com alguma bússola para meus próximos passos. Leitor, leitora, você sabe como é estar assim?

 

Esse post foi publicado em Comportamento, Filosofia e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.