São tantas emoções!

Muita gente acredita que o sentimentalismo está no DNA do povo brasileiro. Tenho motivos para crer nisso também. Eita povo que chora! Verte lágrimas quando está triste. Verte lágrimas quando está feliz. Facilmente se comove. Ai de quem é diferente! Leva a fama de frio, insensível, antipático. Sensibilidade, no Brasil, é sinônimo de comoção.

Não deve ser por acaso que telenovelas fazem tanto sucesso por aqui. Elas têm origem no melodrama. São, portanto, melodramáticas por natureza. Até aquelas em que predomina o gênero comédia têm os pés fincados no melodrama. Em algum momento, vão levar seu público às lágrimas. Ele gosta disso, quer isso e ouso dizer até que precisa disso. A teledramaturgia, a um só tempo, satisfaz e estimula esse gosto, essa vontade e essa necessidade do público.

 

Image result for telenovela globo

 

Tampouco deve ser casual o fato de jogadores de futebol brasileiros — inclusive os que integram a Seleção — expressarem tantas emoções em campo. Como a maioria dos jogadores latinos, aliás, os brasileiros xingam, gritam, caem em pranto no gramado, abraçam-se e beijam-se com um ardor incomum. Quem os observa em jogo testemunha uma explosão de sentimentos. Se marcam gol, quanta festa! Parece que a partida está ganha ali, naquele exato instante, mesmo que ainda faltem 40 minutos para seu fim. Se levam um gol, quanta desolação! Parece que a partida está definitivamente perdida ali, naquele exato instante, mesmo que ainda faltem 40 minutos para o apito final.

Como em tudo na vida, há também prós e contras em ser assim. Um dos prós é o valor em si mesmo de colocar para fora o que está sentindo. Vejo como positivo não reprimir sentimentos — dentro, evidentemente, dos limites éticos e legais. Um dos contras é deixar-se dominar pelas emoções quando a situação pede fleuma. Assistindo a uma cena comovente na TV, nada há de prejudicial em desabar em lágrimas. Já em uma partida decisiva de Copa do Mundo, tanto melhor se os jogadores agirem com a frieza indispensável para derrotar a seleção adversária.

 

Image result for choro neymar

 

Esse sentimentalismo brasileiro certamente está por dentro e por trás das escolhas que levam o Brasil a estar onde está — com todas as suas conquistas e mazelas. Afinal, a mesma emoção do grito “goooooollllllll” e do pranto pelo drama da novela leva milhões de pessoas a elegerem um candidato ou uma candidata que lhe toca o coração e fundo na alma, mas se mostra incapaz de administrar um país tão grande quanto seus problemas.

Esse sentimentalismo brasileiro também deve estar por dentro e por trás das manifestações mais calorosas no âmbito da política, com direito a polarizações radicais. Vive-se um constante Fla-Flu. A observação e a participação no intrincado jogo político, que exige raciocínio, análise, reflexão, ponderação, acaba se convertendo em uma inflamada disputa de egos, crenças e opiniões. Não se constrói consenso assim. Não se desenvolve assim. Não se chega à paz assim.

 

Image result for razão

 

Se o sentimentalismo está realmente no DNA brasileiro, a melhor ou talvez única saída é aprender a administrá-lo, domá-lo, dosá-lo, para que os prós de ser assim não suplantem os contras, e tudo no Brasil não se restrinja ora a um interminável melodrama, ora a uma igualmente interminável partida decisiva de futebol. O Brasil merece e precisa de muito mais que isso.

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Comportamento, Política e marcado , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.