Gente comum. Senso comum.

Tenho o hábito de prestar e dar atenção a gente comum. Daí as menções, em meus textos, raramente serem a filósofos, psicólogos, sociólogos, intelectuais em geral.

Refiro-me bem mais a conhecidos, colegas, amigos, parentes e até a desconhecidos. Gosto de ouvir e citar gente distante dos auditórios e das tribunas, gente que não costuma dar entrevistas ao rádio e à TV, gente que me diz o que pensa à mesa de um bar, no caixa de uma loja, na fila de um banco, na cozinha ou na sala de minha casa, na academia de ginástica, num táxi, na portaria de um edifício, no meio da rua, no elevador. Essa gente é, afinal, a maioria.

Homer_Homem_Comum

Essas pessoas são responsáveis pelo que se costuma chamar de senso comum. E essas pessoas também levam os nomes de eleitor, contribuinte, condutor, cidadão etc. Ou seja, essa gente representa a tal vox populi – a voz do povo.

Claro que um intelectual também faz parte desse contingente de eleitores, contribuintes, condutores, cidadãos. Mas dele diferencia-se por uma característica principal: possui ferramentas e referências intelectuais que o permitem ir além da opinião pessoal e analisar os fatos com maior amplitude e profundidade. Em outras palavras, ele normalmente transcende o senso comum.

Vox_Populi

A vox populi emite opiniões (doxa, no linguajar especializado) geralmente inspiradas em informações esparsas – via de regra, não sistematizadas, não elaboradas, não analisadas a fundo, ou seja, não são conhecimento, “ciência”, em sentido estrito (episteme, também no linguajar dos eruditos). A chamada “voz do povo” compreende visões bem individualizadas – às vezes, individualistas também.

Usualmente, essa voz geral carrega mais emoção que racionalidade. Lembra discussões sobre futebol. Por mais que se levantem argumentos, o que pesa mesmo é a paixão pelo time. Comportamento análogo se dá nos debates sobre política, economia, artes, religião. Muitos debatedores têm opinião, mas conhecimento mesmo…

Senso_comum3

Ainda assim, agrada-me ouvir o leigo. Em primeiro lugar, porque ele pode ter intuições interessantes e, em alguns casos, acertar mesmo sem ter certeza. Em segundo, porque ele é maioria. E a maioria muitas vezes acaba por conduzir a minoria.

Pode-se até alegar, com certa razão, que uma minoria mais intelectualizada governa (ou domina) uma minoria menos intelectualizada. Mas essa minoria elege tanto intelectuais quanto não-intelectuais, vota tanto em gente preparada (intelectualizada ou não) quanto em gente despreparada para governar.

Fora da política, isso pode ser ainda mais visível: a maioria dita comportamentos, estabelece o socialmente mais aceitável. Não por acaso, o ditado chega ao extremo: Vox populi, Vox Dei (“A voz do povo é a voz de Deus”).

Dessa maioria numérica, leiga em numerosos assuntos, ouço de tudo. Seguem-se exemplos do que ouço, há muito tempo, apenas no Brasil (a maioria das citações abaixo contém, na verdade, sínteses do que ouço por aí – alguns clichês no meio – e revela muitos valores dos brasileiros – com os quais não concordo sempre nem necessariamente):

Senso_comum4

  •  O governo é culpado quase sempre de quase tudo. [Por governo, entenda-se o Poder Executivo e, na maioria das vezes, o Poder Executivo Federal.]
  •  A maioria dos políticos é corrupta.
  •  O poder corrompe.
  •  Tudo é muito caro no Brasil: moradia, transporte, saúde, alimentação.
  •  Paga-se muito imposto no Brasil, e recebe-se quase nada em troca.
  •  Os Estados Unidos são melhores em praticamente tudo.
  •  Os Estados Unidos são um exemplo de desenvolvimento.
  •  No trânsito, só os outros cometem infrações graves.
  •  As autoridades de trânsito só querem punir e recolher multas, nunca educar.
  •  O cristão é uma pessoa melhor.
  •  O ateu é infeliz ou revoltado ou ambos.
  • O pobre é sempre vítima.
  • O humilde merece mais.
  • O rico sempre se dá melhor.
  • Rico modesto é rico honesto.
  • Maconheiro é sempre suspeito.
  • Quem usa droga é vagabundo.
  • Beber muito, de vez em quando, faz bem.
  • Casamento é sinal de equilíbrio e ajuste social.
  • Casamento com comunhão de bens é prova de amor.
  • Eliminar a privacidade (num relacionamento a dois) é prova de amor.
  • A família é sagrada.
  • É preciso constituir ou ter (ou pertencer a) uma família.
  • Mulher pode e deve trabalhar fora, mas filho tem de ter prioridade.
  • Criança birrenta (ou muito levada) merece apanhar.
  • Mulher que propõe sexo ao homem é vulgar.
  • Há mulher para casar e há mulher só para fazer sexo.
  • Aborto é crime ou pecado (ou ambos).
  • A pessoa “difícil” (de conquistar) tem mais valor.
  • Mulher e gay não jogam, não entendem e não gostam de futebol.
  • Gay pode ser boa pessoa, mas é mau exemplo para crianças.
  • Basta ser do sexo masculino para despertar interesse em um gay.
  • Gay é promíscuo.
  • O heterossexual é o certo, o normal, o melhor.
  • Gordos são mais engraçados.
  • Gordo é feio.
  • Gordo é gordo porque não se cuida.
  • Mulher bonita tem cabelos louros, lisos e longos — e é “sarada”.
  • Negro é vítima.
  • Negro é pobre.
  • Negro é suspeito.
  • Todo ativista é chato.
  • Todo intelectual é chato.
  • Todo filme “de arte” é chato.
  • Arte é algo complicado ou sofisticado ou chique (ou tudo isso junto).
  • Quem não tem estudo não tem inteligência.
  • Empregadas domésticas são um mal necessário.
  • Empregadas domésticas têm prazo de validade.
  • Viajar é símbolo de status.
  • Francês não gosta de falar inglês.
  • Francês é rude com turistas.
  • O brasileiro é hospitaleiro.
  • A violência no Brasil só cresce.
  • Não deve haver direitos humanos para bandido.
  • Bandido não tem direito a nada.
  • Bandido não tem piedade, então não merece piedade.
  • Prostituta é vítima ou vilã (nunca uma profissional como outra qualquer).
  • A prostituta chama a atenção, mas o cliente é invisível.
  • São Paulo sustenta o Brasil.
  • Nordeste é só praia e carnaval.
  • Norte é Amazônia e índio.
  • Brasília é uma ilha da fantasia.
  • Índios têm direitos demais no Brasil.
  • Se não derrubar árvore, não tem comida.
  • É preciso ter fé, acreditar em si mesmo, se quiser conquistar algo na vida.
  • Dinheiro não traz felicidade.
  • Saúde é mais importante que dinheiro.
  • A vida está acima dos bens materiais.
  • Educação (escola) é fundamental.
  • Para vencer na vida, é preciso estudar.
  • É necessário ser solidário na dor (quando o outro sofre).
  • Trabalhar é obrigação, não prazer.

Entre conceitos e preconceitos, suposições e crenças, posturas e imposturas, posições e contradições, generalizações e impressões, desenha-se à minha frente uma imagem de brasileiro, assim como a imagem que o brasileiro faz de si mesmo e de outros povos. É a partir daí que se faz o Brasil. Goste-se ou não.

Anúncios
Esse post foi publicado em Filosofia, Política, Relatos & depoimentos e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.