Para não dizer que não falei das dores…

Nas ruas, nas praças, no rádio, na televisão, nos sites, nas redes sociais, nos espaços públicos em geral, a dor quase sempre é dos outros. São poucas as pessoas dispostas a expor o próprio sofrimento. Compartilhar o incômodo alheio, seja em forma de denúncia, seja como gesto de compaixão, seja para alertar, seja para sensibilizar, costuma ser bem visto. Raramente gera críticas negativas. Já abrir o próprio coração partido…

"Melancolia", pintura de Edvard Munch.

“Melancolia”, pintura de Edvard Munch.

Há lamentavelmente as inescapáveis situações de luto, quando não se pode esconder a perda de um ente querido. Mas são exceções. Via de regra, expor a própria dor é para poucos, muito poucos.

Não me atrevo a explicar, nem mesmo a discutir, por que a maioria das pessoas evita tornar público seu sofrimento. Os motivos costumam ser vários e válidos. Antes de tudo, guardar a dor para si mesmo é obviamente um direito que todos têm.

Mas não é essa maioria que me interessa. Quem me chama a atenção é a minoria que expõe seus sofrimentos em público, seja de vez em quando, seja com freqüência. Por que o fazem? O que as impede de agir como a maioria e guardar suas dores para si mesmas ou somente para os mais íntimos?

Suponho que, também nesse caso, os motivos sejam vários e válidos.

"Desespero", por Edvard Munch.

“Desespero”, por Edvard Munch.

Baseado em minha experiência pessoal, ouso especular sobre os motivos que me parecem mais evidentes:

1-      Necessidade de desabafar. Exteriorizar a dor alivia, atenua o sofrimento, mesmo que não o afaste de vez.

2-      Esperança de receber ajuda. Expor o sofrimento costuma gerar empatia, solidariedade. Quem sofre está carente de atenção, apoio, auxílio, afeto.

3-      Desejo de identificação. Ameniza a dor lembrar que outros também sofrem. Tem-se a confortante sensação de companhia. A identificação afasta a solidão.

Há motivos menos nobres também:

4-      Narcisismo. Compadecer o outro pode ser uma forma de despertar mais atenção para si.

5-      Imaturidade. Algumas pessoas têm dificuldade para administrar seus problemas e precisam compartilhá-los. Muitas vezes, o sofrimento não se justifica. Falta apenas visão mais objetiva para enfrentar os problemas e superá-los.

"Noite em Karl Johan", por Edvard Munch.

“Noite em Karl Johan”, por Edvard Munch.

Confesso que sou do tipo que prefere se abrir a ocultar as próprias dores. Sou assim pelos três primeiros motivos que apontei acima e, às vezes, pelo quinto motivo também. E cito mais um, muito meu: o respeito à inteligência das pessoas com quem convivo. Penso que elas não se iludem com retratos irretocáveis de felicidade. Elas têm consciência, como eu tenho, de que pouquíssimos neste mundo estão sempre bem. Elas sabem que todos sofrem – uns mais, outros menos, mas nenhum escapa da dor.

Em respeito à inteligência e a essa consciência, exponho minhas dores quando julgo necessário. Quero que as pessoas amigas saibam que eu sei que elas sabem que sofro como todo o mundo, às vezes mais do que muita gente.

O mais curioso é que, ao expor minha dor, descubro ou recordo que: o desabafo a alivia, há pessoas solidárias por perto, outros se identificam comigo (e eu com eles), e o “bicho” não é tão feio quanto parece.

Acima de tudo: as máscaras caem e, por um instante, contemplo o simpático rosto da verdade. Somos todos iguais, só que diferentes; ou diferentes, só que iguais.

"A Dança da Vida", por Edvard Munch.

“A Dança da Vida”, por Edvard Munch.

Anúncios
Esse post foi publicado em Comportamento e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Para não dizer que não falei das dores…

  1. Dilza Simas Milhomem disse:

    Um dos mais lindos textos que eu já li neste blog… Acho porque toca nossa emoção e nos identifica em alguns aspectos. Eu sou uma das pessoas que me vejo agindo de duas maneiras: Só exponho meus sentimentos quando estou muito revoltada com a injustiça ou muito magoada.
    Quanto aos sentimentos íntimos, principalmente os de rejeição prefiro ficar comigo, seja por vergonha de me expor ou por vaidade. Tanto a mágoa, a revolta, sentir-se rejeitada, são sofrimentos tão cruéis conosco, que quase sempre atinge nosso corpo físico. Tento expulsá-los o máximo de mim para não ter que acumular lixos, que vão poluindo a minha alma. Só assim posso me tornar mais leve.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.