Conservar ou retardar?

Acabo de ver um documentário sobre a história do rock. Reúne depoimentos muito interessantes de gente que faz parte dessa história, como Little Richard, Mick Jagger, Bruce Springsteen, Bono, entre dezenas de outros. O que mais me marcou, no entanto, foi a informação de que as primeiras estrelas do rock foram alvo de censura e perseguição.

Little-Richard

Vale lembrar que a maioria dessas estrelas era negra, e os Estados Unidos da década de 1950 ainda nutriam um racismo profundo, causa de posturas segregacionistas que jamais poderiam antecipar a eleição, meio século depois, de um presidente negro. Portanto, o rock dos primeiros anos era “black music” e incomodava a elite branca.

Elvis Presley e Buddy Holly vieram embaralhar as cartas. Os remelexos sensuais de Elvis confundiram o establishment, que não tinha mais como responsabilizar apenas os negros por aquela espécie de transgressão musical, que incluía a dança. O mundinho bem-comportado e insosso dos brancos estadunidenses balançava ao som dos primeiros acordes do rock’n roll.

Elvis, the pelvis: rebolado de negro.

Elvis, the pelvis: rebolado de negro.

Pais e filhos não mais ouviam a mesma música, e o rock acabou por instalar um conflito de gerações. Os roqueiros de então tinham consciência do que estavam provocando. Era uma revolução cultural: negros como protagonistas, verdadeiros rock stars; brancos os reverenciando e imitando; jovens dançando e cantando ritmos alucinantes; a moda abrindo espaço para a irreverência.

Os adeptos da tradição chiaram. Depois, agiram. Seus representantes políticos deram um jeito de dificultar a carreira e a vida dos pioneiros do rock. Em certa medida, tiveram êxito. Muitos roqueiros afastaram-se dos palcos. Mas, se os “caretas” venceram batalhas na época, perderam a guerra (e o bonde) da história.

Chuck-Berry

Chuck Berry, um dos pioneiros do rock.

É curioso olhar para trás e pensar que as manifestações de preconceito foram em vão. O rock não apenas sobreviveu como se tornou um dos gêneros musicais mais poderosos da história tanto da música quanto da humanidade.

Vale a pena olhar para o presente também e perguntar-se até quando os conservadores perderão seu tempo protestando contra certas mudanças e novidades. Será que não se dão conta de que são impotentes diante da História? Será que não conseguem enxergar a diferença entre conservar e retardar? Podem até atrasar as mudanças, mas é impossível conservar para sempre o que quer que seja.

Anúncios
Esse post foi publicado em Comportamento, Música e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Conservar ou retardar?

  1. ag disse:

    parece besteira, mas lembrei de footloose, fábula inocente [mas emblemática] sobre o poder do rock sobre uma sociedade conservadora. a incapacidade de lidar com o novo e – especialmente, com o “incompreensível e incontrolável” realmente desestabilizou a sociedade da época e balançou alicerces. como afirmou o mestre Angeli, em crônica de 1986: “a lambada é passageira, apenas o rock é eterno”!!
    ag

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.